Friday, October 06, 2006

Deus me perdoe em falar em sorte, pois sei que ela não existe. Mas, vou falar. Que maus ventos!

PRIMEIRO, sofro um ATENTADO À LIBERDADE DE IMPRENSA. É, porque fui ameaçado, em que um elemento quis me coibir de publicar matéria. Ta, que poder tenho eu de parar uma matéria, se sou o último dos repórteres da redação. Ta. Falo para o diretor, ele diz que vai resolver o problema. Ta. Matéria sai com nome dele, dizendo que o repórter André Luiz procurou o acusado e o filho dele deferiu palavras de baixo calão. Aí, no dia seguinte o rapaz vem me procurando no jornal.

A matéria era sobre um PM apontou arma para uma PC. Eu pergunto: Será isto jornalismo? Eu respondo que não. Alguns podem considerar gênero de jornalismo, eu não. Para mim, pode ser subgênero de entretenimento. Porque a publicação de matérias com este teor apenas alimenta apetite de sangue. Não informa, seduz. Entretém. O fato apenas teria importância se repercutisse na sociedade, ofendendo-a. No caso, o crime envolveu apenas os dois policiais e eu querer aferir que toda a corporação é assim é falar mentira. Então, para mim não é jornalismo.

Eu trabalho como jornalista e não vou ficar fazendo este tipo de matéria. Já pus minha cabeça a disposição. Se isto for jornalismo, para mim não serve. Estou me sentindo bucha de canhão, dentro de uma queda de braço entre o diretor do jornal e algumas pessoas da sociedade.

SEGUNDO, novamente extrapolando minhas funções de jornalista, subo num avião para fotografar um lago que está sendo construído (para que não sei, para o jornal que não é), crente de que o diretor de uma empresa como a que trabalho tem total confiança no avião e no piloto. Aí, o cara voa baixo, bate com a roda do avião na água, quebra tudo, não avisa os passageiros. Aterrisa com a roda quebrada, não sabe o que fazer, não avisa a gente. Ora que vi, a roda já estava quebrada, o avião arrastando pela pista e eu já longe.

TUDO ISTO EM MENOS DE UMA SEMANA. FRANCAMENTE.

EU to meio assim,

Raul Seixas - Cowboy fora da lei Raul Seixas e Paulo Coelho Mamãe, não quero ser prefeitoPode ser que eu seja eleitoE alguém pode querer me assassinarEu não preciso ler jornaisMentir sozinho eu sou capazNão quero ir de encontro ao azarPapai não quero provar nadaEu já servi à Pátria amadaE todo mundo cobra minha luzOh, coitado, foi tão cedoDeus me livre, eu tenho medoMorrer dependurado numa cruzEu não sou besta pra tirar onda de heróiSou vacinado, eu sou cowboyCowboy fora da leiDurango Kid só existe no gibiE quem quiser que fique aquiEntrar pra história é com vocês
Cazuza - Ideologiaby CazuzaMEU PARTIDO É UM CORAÇÃO PARTIDO E AS ILUSÕES ESTÃO TODAS PERDIDAS OS MEUS SONHOS FORAM TODOS VENDIDOS TÃO BARATO QUE EU NEM ACREDITO EU NEM ACREDITO QUE AQUELE GAROTO QUE IA MUDAR O MUNDO (MUDAR O MUNDO) FREQUENTA AGORA AS FESTAS DO "GRAND MONDE"MEUS HERÓIS MORRERAM DE OVERDOSE MEUS INIMIGOS ESTÃO NO PODER IDEOLOGIA EU QUERO UMA PRA VIVER IDEOLOGIA EU QUERO UMA PRA VIVER O MEU PRAZER AGORA É RISCO DE VIDA MEU SEX AND DRUGS NÃO TEM NENHUM ROCK 'N' ROLL EU VOU PAGAR A CONTA DO ANALISTA PRA NUNCA MAIS TER QUE SABER QUEM EU SOUPOIS AQUELE GAROTO QUE IA MUDAR O MUNDO (MUDAR O MUNDO) AGORA ASSISTE A TUDO EM CIMA DO MURO MEUS HERÓIS MORRERAM DE OVERDOSE MEUS INIMIGOS ESTÃO NO PODER IDEOLOGIA EU QUERO UMA PRA VIVER IDEOLOGIA EU QUERO UMA PRA VIVER